Tempo de leitura: 10 minutos (2053 palavras)
Destacado 

8 Tipos de Comportamento Abusivo

formas-de-abuso-emocional

Muitos crêem que o único tipo de abuso é o físico ou sexual, porém, o fato é que existem diversas formas de abuso além dos supracitados. E, certamente, você já experienciou alguma forma de abuso em algum momento da sua vida, seja como autor, seja como vítima.

O abuso pode incluir manipulação, exploração, maus-tratos, negligência, violência, crueldade, dano, mágoa, até mesmo exploração. De fato todas as formas de abuso citadas neste texto geram algum grau de abalo psicológico no indivíduo, mais um motivo pelo qual devemos saber reconhecer cada uma delas.

As sete principais formas de manifestação de abuso são: físicas, mentais, verbais, emocionais, financeiras, sexuais e espirituais. O abuso legal não costuma ser visualizado de imediato, por ser muito específico, no entanto ocorre.

Iremos descrever agora uma lista de comportamentos abusivos, subdivididos em categorias. Esta lista tem o intuito de oportunizar a exploração, avaliação e discussão acerca de comportamentos potencialmente destrutivos.

A conscientização é o primeiro passo para acabar com o abuso, esteja você na condição de vítima ou na condição de autor de tais práticas.

1. O Abuso Mental

Quando a vitima experienciou:

Raiva - Uma irritação intensa e furiosa que surge do nada, geralmente sobre nada, chocando e assustando uma pessoa, levando à obediência ou silêncio.

Omipulação/Gaslighting - Mentira sobre o passado fazendo a pessoa duvidar de sua memória, percepção e sanidade. Como quando há alegações e uso de evidências de comportamentos errados do passado, causando ainda mais dúvidas.

Olha Fixo - Um olhar intenso demonstração de nenhum sentimento ou raiva por trás, frequentemente concomitante à tratamento silencioso.

Tratamento Silencioso - Punir ignorando. Existem pessoas que cortam os outros de sua vida permanentemente devido a pequenas coisas.

Projeção - Descarregar suas questões nos outros como eles tivessem feito ou fossem responsáveis.

Manipulação - Fazer com que os outros temam o pior, como abandono, infidelidade, rejeição ou morte.

Papel de Vítima - quando todas as outras táticas falham, costuma-se recorrer ao "papel de vítima" para conseguir a simpatia e controlar ainda mais o comportamento do outro.

2. O Abuso Verbal

Extremos em Volume ou Tom de Voz - a maneira mais comum de aumentar o volume é gritando ou berrando. Outra maneira comum é o completo silêncio, ignorar e recusar-se a responder.

Palavras Intimidantes - Linguagem ameaçadora ou blasfêmica são feitas quando a pessoa se recusa a fazer o que o abusador quer.

Fala Intensa - Ser argumentativo, competitivo, sarcástico e exigente, interrompendo a fala do outro com frequência, retendo informações importantes, intimidando e interrogando o outro.

Ataques Pessoais - críticas, xingamentos, menosprezo, difamação do caráter, repreensão dos sentimentos do outro e julgamento de opiniões.

Não se Desculpar - quando ocorre a recusa de assumir as responsabilidades, tornar-se hostil, invalidar ou rejeitar os sentimentos dos outros, mentir e convenientemente se esquecer de promessas ou compromissos.

Jogo de Culpa - Jogar a culpa por tudo que dá errado na outra pessoa. Acusar os outros de serem muito sensíveis, ser excessivamente críticos às reações, sentimentos e opiniões opostas.

Intimidação/Browbeating - Uso de argumentos do tipo "se ao menos você [...] eu não teria que ser assim", "você não sabe brincar", "O problema com você é que..." e "Isso (abuso verbal) não aconteceu".

3. O Abuso Emocional

Mesquinhez/Minunciosidade/Nitpicking - O que é importante para os outros é minimizado em comparação com seus interesses próprios. Eles menosprezam realizações, aspirações ou personalidade do outro na frente de terceiros. Provocações e sarcasmos são comumente usado para degradar e zombar.

Embaraço/Vergonha - Como quando ocorre o compartilhamento de informações privadas sem consentimento, tratar outras pessoas como a uma criança ou expor algum evento vergonhoso. Constantemente sendo lembrar de falhas, muitas vezes de forma passiva-agressiva.

Ansiedade Aumentada - O outro se torna demasiado ansioso por ser questionado o tempo todo sobre seus passos, motivos ou aptidões. Sentir-se oprimido pelo excesso de responsabilidade sendo descarregada, esperando que os outros larguem tudo para ir animá-los.

Culpa Excessiva - Os abusadores afirmam que eles devem ser a pessoa mais importante na vida dos outros. consideram egoísmo que os outros cuidem de si mesmos.

Insegurança - Por ser mantido em um padrão irreal, inatingível ou insustentável. Então, quando a pessoa falha, eles são tratados como inferiores.

Confusão - Ser tratado como uma extensão do abusador, não uma pessoa separada.

Alienação - depreciando amigos e familiares e transformando os compromissos sociais de outros em um pesadelo (em contraste, eles serão incrivelmente charmosos em seus compromissos sociais).

Raiva/Medo - Eles geram uma resposta raivosa, agindo de forma imatura e egoístas, porém depois acusam a outra pessoa de se comportar dessa maneira. Uso de intimidação, ameaças, comportamento aterrorizador ou destruição de bens preciosos.

Hostilidade / Rejeição - Perseguindo dentro e fora da casa. Recusando-se a reconhecer o valor do outro através da sonegação de amor ou intimidade criando uma ameaça de rejeição.

4. O Abuso Financeiro

Proibir o Acesso - tirar o acesso a dinheiro, contas correntes ou bens, com o intuito de criar a dependência por parte do outro para se alimentar, vestir, se abrir e suprir qualquer necessidade. Manter contas secretas em várias instituições financeiras.

Roubar - rouba, defrauda ou explora da família e espera que todos estejam bem com isso.

Espólio - exige que todos os donativos, bens ou heranças financeiras sejam colocados em seu nome. Abrem contas bancárias em seu nome sem dar acesso aos registros. Cancela seguro de vida, saúde, carro ou casa sem discutir.

Contracheques - Forçam com que pagamentos sejam entregues e depositados em suas contas.

Contas / Crédito - Coloca todas as contas ou cartões de crédito em nome de outros. Os ativos estão em seu nome, mas a dívida está no nome de outra pessoa. Estoura os cartões de crédito sem o conhecimento e arruína a classificação de crédito de outras pessoas.

Impostos - Falsificam os registros fiscais para mostrar maiores reduções e espera que outros assinem documentos sem questionar.

Orçamento - deixam os outros com uma "mesada" restrita, com um "orçamento" impossível, moldando-os para o fracasso. Pune gastos com abuso verbal, físico, sexual ou emocional.

Carreira - Proíbe os outros de ganhar dinheiro, frequentar a escola ou fazer carreira.

Trabalho - Interferem no ambiente de trabalho, fazendo ligações para o chefe. Insiste em ter acesso a e-mails e agendas de trabalho, tomando conhecimento de detalhes sobre o trabalho que chegam a ser excessivos, não profissional e viola a confidencialidade. Assediar enquanto no trabalho através de visitas sem aviso prévio, telefonemas excessivos ou mensagens de texto para impactar negativamente o trabalho.

Adestramento - Fazer um ato sexual indesejado ou embaraçoso, com o intuito de pegar o outro desprevenido, criando uma sensação de trepidação e vendo se o outro consente.

Ciúme Violento - exige que seja contada tudo sobre parceiros sexuais anteriores. Em seguida, usa as informações para chamá-las de vagabunda. Acusações frequentes de que está atraída por outros, flertando, exibindo seu corpo e acusando de traições.

Táticas de Coerção - Uso de assédio, culpa, vergonha, acusação ou raiva para coagir o outro a fazer sexo. Eles importunam, insultam, tornam-se perturbadores e se recusam a deixar dormir até ter sua demanda suprida.

Ameaçar Infidelidade - colocam a possibilidade de recorrer a outras pessoas a fim de intimidar o outro a praticar atos sexuais desconfortáveis.

Incitação ao Medo - Fazer o outro se submeter a atos sexuais indesejados por medo de ser espancado, deixado, humilhado, punido, traído ou por meio de retenção de dinheiro.

Apelos egoístas - Um exemplo clássico de sexo egoísta é o sexo desprotegido. Porque a relação sexual é apenas sobre como eles se sentem, eles se recusam a usar preservativos e insistem que outros assumam total responsabilidade pelo controle de natalidade ou proteção contra DSTs.

Remoção do Sexual - Alguns retiram completamente toda forma de sexo do relacionamento. Quaisquer pedidos de sexo são ridicularizados, reclamando sobre desempenho e dando desculpas excessivas para a abstinência.

Ultimato - Para eles, o corpo de outros é deles e o corpo deles é deles. Os ultimatos incluem exigências para perda de peso, se arrumar de uma determinada maneira, forçar uma gravidez ou um aborto, e proibir a amamentação.

Destruição de Princípios - Padrões sexuais anteriores são extintos. Por exemplo, participar de pornografia, prostituição, ter vários parceiros ao mesmo tempo ou sexo com animais estava completamente fora de questão, mas agora são comuns.

Estupro - Legalmente o estudo é considerado em casos onde ocorrem "penetração", não importa quão pequena, da vagina ou ânus com qualquer parte do corpo ou objeto, ou penetração oral por um órgão sexual de outra pessoa, sem o consentimento da vítima.

Atos Degradantes - "A degradação está nos olhos de quem vê". O abusador pode não ver essas práticas como degradantes, mas o outro pode perceber assim. Aqui estão alguns exemplos: urinar em uma pessoa, fazer sexo enquanto está no banheiro ou forçar o sexo em lugares públicos.

Sexo Sádico - Existem duas formas de atos sexuais sádicos: leve (também conhecido como sadomasoquismo) e grave, que pode levar à morte. Exemplos sutis incluem: encenação de mestre e escravo, imobilização do outro por meio de drogas ou álcool, administração de dor (chicotadas) durante o sexo, confinamento do outro em gaiolas, vendar os olhos ou prender os órgãos sexuais. Os exemplos mais graves incluem: espancamentos físicos, asfixia, tortura psicológica, queimaduras, cortes, esfaqueamento, vampirismo e assassinato antes, durante ou depois do sexo.

7. O Abuso Espiritual

Pensamento Dicotômico - dividir as pessoas em duas categorias. Aquelas que concordam com elas e aquelas que não. Eles zombam, depreciam e mostram preconceito em relação a outras crenças.

Elitismo - Recusa a se associar a pessoas ou grupos que consideram impuros ou profanos.

Submissão - Requer que os outros adotem completamente seu ponto de vista. Não deixam espaço para opiniões divergentes ou questionamento acerca de sua autoridade. O xingamento, a repreensão severa e o tratamento silencioso são manobras comuns para compelir à submissão.

Rotulagem - As pessoas que não obedecem às suas crenças são rotuladas de desobedientes, rebeldes, sem fé, demônios ou inimigos da fé.

Performance Pública - Exigência de perfeição e felicidade sempre. Atividades religiosas, como frequentar a igreja, são extremamente exigidas, com expectativas excessivas e rigidez.

Legalismo - A adesão estrita à suas regras e regulamentos são exigidas com declarações absolutas sobre questões insignificantes como cor do cabelo ou estilo. O não cumprimento é tratado com severa disciplinar e até mesmo banimento.

Segregação - Uso de segredo ou retenção de informações a apenas um seleto grupo de pessoas consideradas dignas. Distanciamento de membros da família estendida e amigos de fora do círculo religioso. Isso inclui evitação, alienação ou perseguição.

Obediência Cega - a obediência cega é esperada. Eles substituem a religião por si mesmos e esperam que as pessoas os adorem.

Abuso de Autoridade - o uso da posição ou autoridade de maneira conivente para seu benefício pessoal, que geralmente é financeiro. Eles justificam seu comportamento afirmando que eles merecem.

Fraude - Engajar-se em conduta criminosa ou encobrir as transgressões de outras pessoas em nome de sua religião. Isso inclui encobrir abuso sexual, abuso físico, crimes financeiros e contravenções.

8. O Abuso Legal

Ações Judiciais Frívolas - Registrar ações judiciais sem sentido que tem pouco mérito com o intuito de forçar a contraparte a contratar um advogado e ficar sujeito a pagar custas desnecessárias.

Falsas Acusações - Levar seu oponente ao tribunal, projetando falsamente seus problemas no oponente.

Armadilhas - Incitar e encorajar as vítimas a agir de forma irracional e depois chamar a polícia para elas. Este evento é posteriormente usado como uma ameaça em outro processo ou ação civil.

Jogando com o Sistema - Utilizar as leis leis destinadas a proteger uma pessoa como um ponto de manipulação contra elas. Por exemplo, não permitir que uma criança veja ou fale com o outro pai em "seu tempo" porque isso daria ao outro pai mais tempo do que eles.

Moções/Audiências sem Sentido - para atrasar o andamento de um processo, apresentam moções sem sentido, audiências excessivas e múltiplos adiamentos. Isso é feito para drenar os recursos financeiros do adversário e criar uma atmosfera do processo interminável.

Cometer Perjúrio - Mentir sobre assuntos que não são materiais e são irrelevantes para o caso apenas para enfurecer seu oponente.

Usando Lacunas - Procurar brechas na lei e usar em seu favor.

Adulterar o Júri - Subornar ou intimidar membros de um júri para decidir de uma determinada maneira. Embora isso pareça coisa de filmes, ainda acontece no tribunal.

Referência:

The Exhausted Woman. ​Psych Central. https://pro.psychcentral.com/exhausted-woman/2018/12/the-8-types-of-abusive-behavior/

1
Uma Introdução aos Testes Psicológicos
A Psicologia Perinatal e Sua Importância para o Ví...

Textos Relacionados

 

Comentários (0)

Nenhum comentário foi feito ainda, seja o primeiro!

Deixar seu comentário

  1. Postando o comentário como visitante. Cadastre-se ou faça login na sua conta.
0 Caracteres
Anexos (0 / 3)
Share Your Location
Digite o texto apresentado na imagem abaixo. Não consegue ver?

Relacionados

Fique por Dentro

Junte-se aos leitores inteligentes que recebem nossas novidades direto no e-mail:

Textos de Psicologia em Destaque:

Portal Psicologia