Tempo de leitura: 3 minutos (645 palavras)
Destacado 

Breve Introdução às Estruturas Psíquicas em Psicanálise

id-ego-suprego-freud

Freud não utiliza em seus textos o termo Estrutura para se refe rir ao nosso funcionamento p orém, reparte em suas obras o nosso funcionamento psíquico a partir da relação de três instâncias , denominadas Id, Ego e Superego.

Essas três instâncias dialogam para nos auxiliar a atuar da melhor forma possível em nosso contexto, apesar de ter muito material inconsciente nas três instâncias. Para melhor discorrer sobre o funcionamento psíquico na psicanálise iremos partir da infância.

Como já falamos anteriormente, a vivência do Complexo de Édipo é determinante para a construção de identidade (principalmente no que tange à transformação da libido em afeição) do sujeito. É partir dessa fase que as três instâncias se desenvolvem mais acentuadamente.


O Id é o material inconsciente que nos leva à satisfação do prazer imediato. Essa instância é essencial à sobrevivência na infância, que nos faz buscar a satisfação de necessidades como a fome e sede. Com o tempo elaboramos instâncias que nos ajudam a canalizar o que o Id nos "impõe". O id é regido pelo princípio do prazer sem calcular as consequências que pode trazer para o sujeito, estando muito conectada à pulsão de morte que será exposta em próximos textos.

O Superego é a instância onde ficam as normas, leis, regras vigentes na sociedade e contexto em que o sujeito vivencia. O material dessa estrutura é constituído a partir da identificação com o cuidador do mesmo sexo, para isso é essencial a experiência de castração (assim como foi discutido no texto sobre o Complexo de Édipo). Essa instância é geradora de muito sofrimento por suprimir os desejos impostos pelo Id, por ser regido pelo princípio da moral não nos permite tomar atitudes que parecem prazeirosas. Medindo muito as consequências antes de fazer algo.

O Ego é a estrutura que dialoga com as duas anteriores. A partir do ego é possível fazer uma intermediação entre os desejos do Id e as obrigações impostas pelo Superego. Dessa forma, os mecanismos de defesa são adotados pelo sujeito e vitando o sofrimento psíquico. Sua principal função é equilibrar os ímpetos do Id com as severas obrigações do Superego. 

Como o Id, Ego e Superego se Relacionam?

Imagine o seguinte cenário: v amos supor que você quer ir para um rodízio de pizza. O seu Id busca a satisfação total fazendo com que você deseje comer o máximo de pedaços de pizza possível sem pensar no sofrimento do seu organismo. O seu Superego suprime completamente o seu desejo, partindo para as normas da sociedade que se concentram no padrão de beleza. Dizendo que comer pizza facilita o ganho de peso e que é melhor se alimentar de frutas em vez de carboidratos. O Ego intermedia essa relação fazendo com que você coma apenas um ou dois pedaços de pizza, assim sentindo-se saciado e podendo comer mais vezes sem nenhum prejuízo à saúde.


Em outras palavras, o Id traz o desejo de comer, de sentir o prazer de degustar cada pedaço suculento de pizza, ao passo que o superego contrapõe com fatores morais como ganho de peso e a possível consequência do mal-estar posterior, além do que os demais observadores podem falar sobre você, por exemplo. Neste ponto o Ego precisa decidir e ponderar sobre esses estímulos e informações sendo que a tendência é optar por algo mais realístico, que satisfaça os desejos do Id e as imposições do Superego ao mesmo tempo, talvez tendendo mais pra um ou para outro.

A Psicanálise acredita que os distúrbios psicológicos derivam da relação desequilibrada entre as três instâncias, ou seja, a sua má estruturação decorrente de uma vivência conturbada em alguma etapa do desenvolvimento.

Referências:

ANDRADE VM. O ego corporal e o continuum cérebro-mente. O modo de ação clínica da psicanálise na perspectiva da interface com a neurociência. Rev  Bras Psicanál . 2003; 37(4):1051-65.

FREUD S. O ego e o id. Rio de Janeiro: Imago; 1976.

_______. A interpretação dos sonhos. 2. ed. Rio de Janeiro: Imago; 1987.

6
A Lógica Psiquiátrica Atrelada à Reforma Sanitaris...
O Humanismo e a Gestalt-Terapia

Textos Relacionados

 

Comentários (0)

Nenhum comentário foi feito ainda, seja o primeiro!

Deixar seu comentário

  1. Postando o comentário como visitante. Cadastre-se ou faça login na sua conta.
0 Caracteres
Anexos (0 / 3)
Share Your Location
Digite o texto apresentado na imagem abaixo. Não consegue ver?

Relacionados

Fique por Dentro

Junte-se aos leitores inteligentes que recebem nossas novidades direto no e-mail:

Textos de Psicologia em Destaque:

Portal Psicologia