Tempo de leitura: 3 minutos (583 palavras)
Destacado 

O Que Você Sabe Sobre a Síndrome de Munchausen?

smurf-sindrome-de-munchausen-portal-psicologia

A Síndrome de Munchausen (Münchhausen) e a Síndrome de Munchausen por Procuração são quadros caracterizados pela criação ou pela produção de sintomas de forma intencional. Indivíduos acometidos por essa síndrome fingem estar doentes e procuram ajuda em sistemas de saúde, muitas vezes envolvendo alteração de resultados de exames laboratoriais.

A terminologia "Síndrome de Munchausen" foi utilizada pela primeira vez em 1951 por Asher, para apurar o diagnóstico de sujeitos que criavam sintomas em busca de atenção médica. Logo em 1977, Meadow adotou o termo "Síndrome de Munchausen por Procuração" para suprir a demanda de mães que fabricam sintomas em seus filhos para procurar – para elas – atenção por parte da equipe médica.

Por curiosidade: O termo Munchausen é assim atribuído por conta do Barão de Munchausen que contava histórias mirabolantes sobre suas viagens. Como por exemplo uma vez que chegou à lua subindo em cordas.

Existem alguns sintomas característicos da síndrome, como a piora por conta da alta hospitalar, resposta consistente com tratamento, relatos de trauma emocional e físico que não podem ter seus dados comprovados, relação intensa com outros pacientes ou equipe de saúde e a apresentação de sintomas similares a aqueles apresentados por internos próximos ao sujeito. Esses são sintomas caracterizados pelo DSM-5.

Como citado em um artigo de Daniel Sousa Filho, Elton Yoji Kanamota, Ricardo Jonathan Feldman e Alfredo Maluf Neto; que mostram seus resultados segundo uma visão médica sobre o assunto: A síndrome de Munchausen e a síndrome de Munchausen por Procuração geralmente não são identificadas e nem diagnosticadas pelos médicos e outros profissionais de saúde. Sua não identificação leva a testes laboratoriais e procedimentos desnecessárias, que podem prolongar hospitalizações e aumentar o custo do sistema de saúde

Até o momento, não existem tratamentos efetivos demonstrados por meio de estudos bem delineados, além de critério de diagnósticos bem estabelecidos para ambas as síndromes, o que pode explicar o pouco conhecido de estudantes e profissionais de saúde. As síndromes de Munchausen e de Munchausen por P rocuração são variantes dos distúrbios factícios. Estas condições desafiam a Medicina, apesar do atual avanço tecnológico e do conhecimento das limitações do corpo e da mente. 

A partir dessa constatação, torna-se necessário o engajamento da Psicologia Hospitalar no estudo da Síndrome de Munchausen no objetivo de facilitar o diagnóstico por parte da equipe médica e agilizar o tratamento do sujeito.

Várias pesquisas apontam os traumas que repercutem durante toda a vida da criança que está sob os cuidados de alguém que sofre de Síndrome de Munchausen, dificilmente conseguem recuperar a sua vitalidade após ter sido obrigado a simular vulnerabilidade diversas vezes.

Artigos como o presente que abordem o assunto são necessários para abrir a discussão sobre a síndrome, a fim de esclarecer o seu funcionamento, facilitar o seu diagnóstico e trazer bem-estar para quem sofre com suas sintomáticas. 

​Referências:

Asher R. Munchausen's syndrome. Lancet. 1951;1(6650):339-41

American Psychiatric Association (APA). Manual diagnóstico e estatístico e transtornos mentais DMS-5. 5a ed. Tradução de Maria lnês Corrêa Nascimento, Paulo Henrique Machado, Regina Machado Garcez, Rêgis Pizzato, Sandra Maria Mallmann da Rosa. Porto Alegre: Artmed; 2013. Transtorno factício; p. 325-7

SOUSA FILHO, Daniel de; KANOMATA, Elton Yoji; FELDMAN, Ricardo Jonathan; MALUF NETO, Alfredo. Síndrome de Munchausen e síndrome de Munchausen por procuração: uma revisão narrativa. einstein (São Paulo), São Paulo, v. 15, n. 4, p. 516-521, out. 2017. https://doi.org/10.1590/S1679-45082017MD3746

World Health Organization (WHO). The ICD-10 Classification of Mental and Behavioural Disorders. Diagnostic criteria for research. Geneva: WHO; 1993.

1
6 Conceitos para Você se Aprofundar em Psicologia ...
O Cérebro “Decide” o Que Deseja Aprender, Aponta N...

Textos Relacionados

 

Comentários (0)

Nenhum comentário foi feito ainda, seja o primeiro!

Deixar seu comentário

  1. Postando o comentário como visitante. Cadastre-se ou faça login na sua conta.
0 Caracteres
Anexos (0 / 3)
Share Your Location
Digite o texto apresentado na imagem abaixo. Não consegue ver?

Relacionados

Fique por Dentro

Junte-se aos leitores inteligentes que recebem nossas novidades direto no e-mail:

Textos de Psicologia em Destaque:

Portal Psicologia